sexta-feira, maio 30, 2008

Teresa vence votação por Internet



A Cia Espaço em BRANCO e eu, estamos muito agradecidos a todos os amigos que ajudaram votando no projeto Teresa e o Aquário.
Acaba de sair o resutado, e pela votação pela internet tivemos
268 votos. Assim, vencemos esta fase.
vc pode conferir aqui
Lembro a todos que o voto da internet vale um ponto na votação final que vai ocorrer na próxima semana pelos jurados do Prêmio Palco Habitasul.
Vamos continuar torcendo pela chance de continuarmos desenvolvendo a criação teatral da Cia Espaço em BRANCO.
Mais uma vez, agradecido

JdR

Na foto estão Rodrigo Scalari, Lisandro Belotto, Sissi Venturin e João de Ricardo

quarta-feira, maio 28, 2008

Bansky propõe ação muliplicadora, alegre!




The Cans Festival (clique me)

O artista inglês Bansky propôs uma expsição in progress em um túnel totalmente aberta a participação de artistas e interessados em geral. Segundo ele "Sempre achei que qualquer pessoa que tenha uma lata de tinta nas mãos deveria ter tanto direito quanto arquitetos e publicitários de determinar a aparência de nossa cidade".
Para participar basta levar seu stencil e fazer. Pra quem não sabe stencil é aquele tipo de intervenção visual urbana que se utiliza de uma máscara de papel ou plástico que é pntada por spray, deixando impressa nas paredes ou em qualquer lugar a iagem proposta pelo artista. Me lembrei tmbm que o stencil tem um histórico astante relacionado a resistência política em países que se encotram ou se encontravam em regimes militarizados fechados, ditduras etc. Serviam como meio de comunicação, já que a censura pegava forte nos jornais etc e não rolava ainda a internet. Os muros da cidade tornavam-se com a plaicação do stencil, um lugar de resistência e comunicação.
Eu já fiz uns trampinhos de stencil, mais tarde posto aqui. Dêem uma olhada. The Cam Festival é uma proposta agregadora, viral e digamos assim "performática" pois atravéz de uma proposição, vai multiplicando ações artíticas individuais mas conectadas a uma rede. Uma ação alegre (lembrem-se de Spinoza alegre é a ação que gera mais ações, triste é a ação que paraliza a ação de si próprio e a do outro)!


terça-feira, maio 27, 2008

Hot Room

Essa ação faz parte do work in progress: Arquipélago. Vc pode ver as ações que tem formado o corpo desse trabalho aqui, pelo blogue, ler os textos de concepção e se divertir vendo as fotos. Hot Room é também a preparação para um novo arquipélago, que será inscrito no FEIA, festival do instituto de artes, UNICAMP.
Cruzamos o mito de Narciso (post abaixo) com o de Perséfone, moça que foi dopada, sequestrada estuprada e coroada rainha por nada mais nada menos do que o próprio HADES (o deus dos mortos).

Performadores: João de Ricardo e Isabella Santana.
Fotos por Tonhão
Edição João de Ricardo

terça-feira, maio 20, 2008

narciso


caravaggio

1
uma pinta é um ponto
linhas unem-se uma a outra
aparece o mapa do corpo
essas pequenas pintas pretas transbordarão
em profundo diamante
2
desembarcar nesse porto de sonho
sem manhãs nem nada mais
portos sem ontem
de sombras e senhores sem corpo
porto oco
3
olha-se no espelho a morte
e nada vê pois paisagem infinita
olho no olho me vejo em osso
retina colada à pele reflexiva

JdR


escher

Mirror
Sylvia Plath

I am silver and exact. I have no preconceptions.
Whatever I see I swallow immediately
Just as it is, unmisted by love or dislike.
I am not cruel, just truthful -
The eye of a little god, four cournered.
Most of the time I meditate on the opposite wall.
It is pink, with speckles. I have looked at it so long
I think it is a part of my heart. But it flickers.
Faces and darkness separate us over and over.
Now I am a lake. A woman bends over me,
Searching my reaches for what she really is.
Then she turns to those liars, the candles or the moon.
I see her back, and reflect it faithfully.
She rewards me with tears and an agitation of hands
I am important to her. She comes and goes.
Each morning it is her face that replaces the darkness.
In me she has drowned a young girl, and in me an old woman
Rises toward her day after day, like a terrible fish.

sexta-feira, maio 16, 2008

Teresa e o Aquário



Esse é um dos novos projetos da Cia. Espaço em BRANCO , companhia de teatro de Porto Alegre-RS da qual eu sou o encenador.
Estamos como finalistas do projeto Palco HAbitasul que fomenta a criação teatral.
Você pode nos ajudar votando nesse projeto e passando o linque para os amigos.
Se vc tem afinidade com o projeto estético da Cia Espaço em BRANCO clique JÀ!
=D
Obrigadão Pessoal
João de Ricardo

TERESA E O AQUÁRIO

VOTE AQUI!

Ficha Técnica
Direção: João Ricardo
Roteiro e Adaptação: Diones Camargo
Assistente de Direção: Felipe Vieira de Galisteo
Atuação: Sissi Venturin e Lisandro Bellotto
Cenotecnia: Cristiane Eifler Bastos
Figurinos Daniel Lion
Iluminação: Liliane Vieira
Producão e Divulgação: Marco Mafra

Sinopse
Um homem tenta despertar sua mulher da letargia em que esta se encontra e resgatar o afeto que ela um dia lhe dedicou. Sem compreender como a situação chegou àquele ponto de desconexão emocional e sem conseguir reconhecer o ponto onde o amor entre eles deixou de existir, ele baseia-se nas recordações do que viveram juntos para tentar montar o quebra-cabeça contraditório daquela relação. Sentimentos fugazes, incertezas, solidão e dor são as únicas peças que encontra na sua tentativa de montar a imagem de quem foi Teresa.

VOTE AQUI

quinta-feira, maio 15, 2008

Casulo Número DOIS Cinema íntimo

"Somos os propositores,
somos o molde,
a vocês cabe o sopro,
no interior desse molde:
o sentido da nossa existência.

Somos os propositores:
nossa proposição é o diálogo.
Sós, não existimos; estamos a vosso dispor.

Somos os propositores:
enterramos a obra de arte como tal
e solicitamos a vocês para que
o pensamento viva pela ação.

Somos os propositores:
não lhes propomos nem o passado,
nem o futuro, mas o agora."

Lygia Clark, 1968

Casulo Número Dois: Cinema Íntimo explodiu como ação no dia de ontem, quarta feira, ao anoitecer, como é de praxe. Esse casulo se forma e arrebenta um um momento íntimo conturbado, momento também de namoro com o pensamento vivíssimo da artista Lygia Clark e a mistura disso com o que vem acontecendo intelectual-afetiva-corporalmente até aqui. O Estudo sistemático sobre a performance art. O Corpo sem òrgãos como magnetizador constante das ações. Casulo número dois foi realizado no meu quarto, na frente do meu altar pessoal. Essa é uma ação íntima e também mais um corte-aprendizado dentro do Coletivo Arquipélago pois assim é a idéia: as ações mesmo individuais vão crescendo dentro do corpo do coletivo e vive-versa. A Isabela sempre junto criando comigo esse corpo agenciamento. Fiz esse casulo como um ritual pessoal, desdobrei meu cotidiano em um campo estético que reverberou profundamente em mim e agora lanço essa documentação para que de alguma forma ele ainda reverbere como ação possível minha, e de quem quiser fazê-la.


TAREFA:
Trasformar seu quarto num casulo com filme plático.
Despido, cobrir-se com leite condensado (lembrei-me da Márcia X)
Pintar os dentes com baton vermelho.
Misturar-se com os plásticos
Sair do casulo.

A ação foi documentada por centenas de frames tirados pela webcam pela Isa e pelo Patrick.

OS frames agora foram editados e dialogam com outra proposição que venho realizando que são os "outros cinemas".
Estes outros cinemas são reverberações da mesma chama que acende meu trabalho atual. A Performance Art. Para criar um campo de arte, basta propror. "Denken Ist Plastik" nos lembra Beuys, " enterramos a obra de arte como tal
e solicitamos a vocês para que o pensamento viva pela ação" arremata Clark. Cinema sem câmera e sem movimento. Documentação pessoal. Performance art. Cinema com câmera e movimento privados, íntimos, mais uma reverberação de alguém que não vê o casulo como fetiche, mas que mergulha na potência de mutação.

.


Meu documento íntimo: máscara molhada do nebulizador quando eu tenho falta de ar. e eu to sempre precisando usar a máquina molhada que me faz respirar. eu gosto quando nos filmes aparece a neblina. gosto de abrir as janelas de madrugada para ver a neblina silenciosa tomando conta de tudo. alaranjada e viva.
montar um teatrinho dentro do quarto. meus irmãos. e eu deitados no chão semi tapados com os cobertores, braço de um perna do outro cabeça saindo pra fora, e a maquininha do nebulizador ligada, trazendo neblina minha para o quarto.

a criação passa por esse espaço onde eu já não sei mais o que é memória, o que é invenção ou o que é sonho. borda líquida. paisagens afetivas. redimensionamento e atualização constante.

terça-feira, maio 13, 2008

Alguns Espetáculos dirigidos por mim

A Cia Espaço em BRANCO está com novos projetos concorrendo a financiamentos públicos. Conheçer alguns dos nossos antigos trabalhos é ajudar a constante atualização da criação teatral desenvolvida pela Cia.
Em breve coloco aqui linke para os novos projetos.


ANDY/EDIE 2006


EXTINÇÂO 2005


O LIVRO DE CATARINA 2004

sábado, maio 10, 2008

Ação do dia 2


Ser sexual sem ser genital

quinta-feira, maio 08, 2008

Cinema Surdo

Cinema Mudo

Ação:

Reinvindico ser tudo o que desconheço.
JdR


Esta senhora linda é Lygia Clark. Esbarrei meio sem querer querendo (desejo o desconhecido com a avidez de uma fera) na obra dela. Estou vivificado. Ela partiu do concretismo e chegou no... homem.
Só pra constar. VIVA LYGIA!

"A obra (de arte) deve exigir uma participação imediata do espectador e ele, espectador, deve ser jogado dentro dela"
L.G.

Este é um "bicho", 1960



Vejam essa obra-proposição: chama-se "caminhando" de 1963.


está é a "arquitetura biológica" de 1969.